MUNDO

O complicado resgate dos meninos em uma caverna da Tailândia, que pode demorar meses

autor Publicado em 04 de Julho de 2018

 

Inundação na gruta devido às monções complica a retirada do grupo. Equipes de resgate tentam drenar a caverna e ensinar os adolescentes a mergulhar

O complicado resgate dos meninos em uma caverna da Tailândia, que pode demorar meses

 

Não serão fáceis as tarefas de resgate dos 12 garotos tailandeses e do seu treinador encontrados na segunda-feira, após 10 dias presos numa caverna alagada no norte desse país asiático. Já ficou para trás a euforia inicial do primeiro momento, quando dois mergulhadores de apoio britânicos conseguiram achá-los — famintos, mas vivos — 400 metros à frente do ponto onde supunha-se que estivessem. Agora as equipes de salvamento enfrentam a delicada tarefa de tirá-los do bolsão de ar onde se encontram. Isso pode ocorrer após a drenagem de túneis sinuosos e quilométricos — um trabalho que pode levar semanas ou mesmo meses — ou treinando o grupo para mergulhar em condições muito perigosas: na escuridão, por passagens estreitas e em águas cheias de barro, uma tarefa difícil mesmo para submarinistas experientes.

Os meninos, com idades entre 11 e 16 anos, integram um time de futebol. Em 23 de junho, haviam participado de um treino e, ao final, entraram na caverna de Tham Luang com seu monitor, de 25 anos. A gruta é a quarta mais longa do país, com 10 quilômetros de extensão. Quando o grupo já estava lá dentro, as chuvas monçônicas alagaram-na repentinamente, tornando impossível a saída para a superfície. Desde então, e até esta segunda-feira, não havia notícias deles, enquanto o país lançava a maior operação de resgate de sua história, correndo contra o tempo e com o coração apertado.

Nas primeiras horas, as tarefas de socorro centraram-se em oferecer comida aos garotos—receberam tubos de gel energético—, primeiros socorros e companhia. Nesta tarde, pela primeira vez, seus pais poderão falar com eles por telefone. “Vamos conectar uma linha telefônica com os pais a partir da base de cadetes da Marinha”, instalada no interior da caverna, disse o governador da província de Chiang Rai, Narongsak Osatanakorn.

Mesmo essa providência exigirá um enorme esforço. O comandante da Marinha tailandesa, Naris Pratoomsuwan, disse à imprensa que são necessárias três horas para chegar da base instalada por seus homens dentro da gruta até a ilhota onde os garotos encontram-se, a quatro quilômetros da entrada. “Exige tempo”, salientou ele em entrevista ao site noticioso tailandês Khaosod.

As equipes de resgate, compostas por até 1.300 pessoas, disseram que continuarão drenando os túneis para tentar reduzir o nível da água. Mesmo isso é um desafio gigantesco, pois a profundidade chega aos cinco metros em alguns pontos, e a temporada de chuvas continuará até outubro.

O governador do Chiang Rai não quis especular sobre quanto tempo o resgate vai demorar, ou como se dará. Mas alertou que não será algo imediato. “Se me perguntarem agora mesmo, no momento em que avaliamos todos os aspectos, não me parece que poderão voltar tão cedo para casa”, afirmou Narongsak.

O Exército tailandês informou que os jovens receberão alimentos suficientes para quatro meses de subsistência, até o final da temporada das monções. Também aprenderão a mergulhar, a única maneira de poderem voltar a ver a luz em um prazo relativamente curto.

“Chegamos até lá, em hipótese alguma vamos perdê-los ao retirá-los”, prometeu Narongsak à imprensa. “Conseguimos algo histórico. Conseguimos o que em princípio achávamos que era uma missão impossível. Mas só concluímos um dos objetivos, que era localizá-los. Agora começa o resgate”, acrescentou, depois de esclarecer que nenhum dos garotos sofre problemas sérios de saúde, mas que alguns apresentam ferimentos de pouca gravidade.

Um vídeo de cinco minutos dos cadetes navais que participam da operação mostrou os primeiros momentos em que os mergulhadores tomam contato com os meninos. Vestidos com o uniforme vermelho e azul do seu time, magros, mas felizes por terem sido encontrados, eles agradecem aos dois especialistas britânicos por encontrá-los e informam que estão todos vivos: “Somos 13”.

Depois de 10 dias em completa escuridão, os menores tinham perdido a noção do tempo. “Hoje é segunda-feira. Vocês estão aqui há 10 dias, são muito fortes”, disseram-lhes os dois britânicos, antes de revelar-lhes que ainda não poderão sair. “Vocês precisam mergulhar.”

 

Fonte: El Pais

Avalie esta matéria:
Total de Voto(s): 0 - Média de Voto(s): 0

 

 

Mais FM