BRASIL

Madrasta é presa por matar criança de 11 anos envenenada para ter herança

autor Publicado em 10 de Setembro de 2019

 

Madrasta é presa por matar criança de 11 anos envenenada para ter herança

 

uma delas veneno que provoca intoxicação crônica ou aguda e a morte.

Segundo a polícia, a substância não é encontrada em medicamentos, portanto, a ingestão por humanos somente pode ocorrer de forma criminosa.

Os sintomas da ingestão são: visão borrada, tosse, vômito, cólica, diarreia, tremores, confusão mental e convulsões.

Internações

A Deddica descobriu que a menina era envenenada a conta-gotas, ou seja, a madrasta dava poucas quantidade de veneno para não levantar suspeitas.

Muitas vezes no hospital, a criança recebia diagnóstico de infecção, pneumonia e até meningite.

Todas as vezes que a menina passava mal era socorrida e levada ao hospital, onde ficava internada 3 a 7 sete dias e melhorava, em razão de ter cessado a administração do veneno.

Mas ao retornar para casa, voltava a adoecer novamente. O sofrimento durou cerca de dois meses, em que a menina ficou internada por nove vezes em hospitais particulares.

Na última vez que foi parar no hospital, a menina chegou já em óbito. Por conta disso, o hospital não quis declarar o óbito, mas suspeitava de ser meningite.

Nessa ocasião, foi acionada a Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), que diante de falta de evidências sobre morte violenta, requisitou vários exames por precaução, num desse exames periciais foi detectado a substância venenosa no sangue da menina.

Motivo

O caso foi encaminhado à Deddica que, por meio de investigação, descobriu o plano de envenenamento por conta de uma herança milionária que a menina tinha recebido ao nascer.

A vítima tinha uma indenização pela morte da mãe, durante parto dela em um hospital, na capital, por erro médico.

A ação foi movida pelos avós materno da criança, que ingressou na Justiça pela indenização, que em 2019, após 10 anos, foi encerrado o processo, com causa ganha a família de R$ 800 mil, incluindo os descontos de honorários advocatícios.

Parte do dinheiro ficaria depositado em uma conta para a menina movimentar somente na idade adulta. A Justiça autorizou que fosse usada uma pequena parte do dinheiro para despesas da criança, mas a maior quantia ficaria em depósito para uso após a maioridade, aos 24 anos.

O pagamento da ação iniciou em 2019. Até 2018, a menina era criada pelo avós paternos. Em 2017, a avó morreu e no ano seguinte o avô também faleceu.

Então, a garota passou a ser criada, naquele mesmo ano, pelo pai e madrasta. A partir daí iniciou o plano da mulher para matar a criança com o objetivo de ter acesso ao dinheiro.

A madrasta era responsável pela menina e gerenciava os cuidados dela.

A suspeita foi ouvida após a morte da menina e contou que convive com o pai da vítima desde que ela tinha 2 anos de idade e que se considerava mãe dela.

Ela declarou que a afilhada começou a ficar doente em 17 de abril de 2019, apresentando dor de cabeça, tontura, dor na barriga e vômito. A suspeita foi levada para a sede da Deddica, em Cuiabá.

 

Fonte: Goionews

Avalie esta matéria:
Total de Voto(s): 0 - Média de Voto(s): 0

 

 

Supermercado REAL Rodapé